As prisões em flagrante ocorrem todos os dias. Pessoas são presas pelos mais diversos motivos. A depender do caso, algumas são retidas na delegacia por pouco tempo e outras precisam ficar por meses até que o caso seja devidamente resolvido. Obviamente, sem a ajuda de um advogado a situação pode se complicar, por essa razão, é preciso entrar em contato com algum profissional de sua confiança imediatamente. Desse modo, o caso pode ser acompanhado com vistas a aproveitar melhor oportunidades de soltura e diminuir o risco de julgamento equivocado, bem como de recorrer a órgãos superiores, caso a lei ampare a soltura e o juiz encarregado não a conceda.

Este artigo não objetiva defender que criminosos saiam impunemente das mãos da justiça. Afinal, o direito e seus respectivos representantes devem cuidar para que a justiça sempre prevaleça, independente do caso. Atualmente temos muitos exemplos de prisões que ocorrem de forma injusta. A negligência de policiais e a criminalização seletiva, especialmente contra as minorias sociais é um problema grave no país. Por isso, não é raro que muitas pessoas inocentes passem um tempo que não deveriam passar, privadas de suas liberdades. Assim, a presença de um advogado é crucial para cuidar que a soltura seja concedida imediatamente e que todos os danos ao inocente sejam reparados.

O que acontece após alguém ser preso em flagrante?

Nem sempre é só a polícia que pode dar voz de prisão a algum indivíduo. Embora a maioria das pessoas não saibam, qualquer cidadão que presenciar um crime pode dar voz de prisão a quem o cometeu e acionar a polícia em seguida para que dê continuidade ao processo. A prisão em flagrante, propriamente dita, dura 24 horas, período no qual o juiz competente para avaliar o caso recebe todas as informações relevantes a respeito da prisão. A partir dessa avaliação, ele pode decidir por relaxar a prisão, conceder liberdade provisória ao acusado ou pedir sua prisão preventiva, em observância ao artigo 310 do Código de Processo Penal (CPP). Caso o juiz resolva pela prisão preventiva, o advogado contratado pela família do preso pode recorrer ao Tribunal para reverter esta decisão.

Casos que causam indignação da população: mulher acusada de roubar itens em supermercado possui pena maior do que  acusados da Operação Lava-jato da PF

Em notícia recente veiculada por diversas instituições jornalísticas, uma mulher foi condenada, por roubar ovos de páscoa e um quilo de peito de frango em um supermercado, a uma pena maior do que alguns dos réus da lava-jato. A condenada é mãe de 3 crianças, sendo uma em período de amamentação que está com ela em uma cela superlotada da ala materna da Penitenciária Feminina de Pirajuí, São Paulo. A pena que ela deve cumprir é de 3 anos, 2 meses e 3 dias em regime fechado. Na Operação Lava-Jato, ao menos sete condenados vão cumprir menos tempo de cadeia que a dona de casa. Cinco deles recorrem em liberdade e um está preso em domicílio.